segunda-feira, 16 de março de 2015

Opinião | À Procura de Alaska - John Green

Olá! Hoje venho publicar a minha primeira opinião aqui no blog. Esta foi a minha primeira experiência com o autor - e sim, eu ainda não li "A culpa é das estrelas", que vergonha -, contudo posso dizer que fiquei agradavelmente surpreendida e que tenciono voltar a ler livros deste autor. 


Título: À procura de Alaska
Autor: John Green
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892325644
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 256
Sinopse: "Na escuridão atrás de mim, ela cheirava a suor, luz do sol e baunilha, e, nessa noite de pouco luar, eu pouco mais podia ver além da sua silhueta, mas, mesmo no escuro, consegui ver-lhe os olhos - esmeraldas intensas. E não era só linda, era também uma brasa."
Alaska Young. Lindíssima, esperta, divertida, sensual, transtornada… e completamente fascinante. Miles Halter não podia estar mais apaixonado por ela. Mas, quando a tragédia lhe bate à porta, Miles descobre o valor e a dor de viver e amar de modo incondicional.
Nunca mais nada será o mesmo.

Opinião: Como já tinha referido anteriormente, a leitura deste livro foi um verdadeiro mar de emoções para mim, inicialmente más, mas que depressa se converteram em emoções positivas. Tenho de confessar que quando comecei a ler este livro esperava uma coisa completamente diferente daquilo que encontrei e isso fez-me perder um pouco o entusiasmo no início, mas do meio do livro para o fim, foi um salto até concordar que este livro é completamente inesperado e cheio de perguntas que só queremos ver respondidas.
Este livro começa por nos contar a história de Miles Halter, um rapaz de dezasseis anos, que vai para um colégio interno em busca das experiências e dos amigos que nunca teve. O rapaz solitário e certinho que conhecemos nas primeiras páginas vai desaparecendo à medida que este começa a contactar com outras pessoas e a fazer verdadeiras amizades.
Começando pelo seu companheiro de quarto, Coronel, um rapaz divertido que faz com que Miles conheça o verdadeiro sentido das palavras amigo e diversão. Coronel apresenta a Miles a misteriosa Alaska, uma jovem com os seus dezasseis anos, com características muito peculiares. É a típica rapariga rebelde, gosta imenso de divertir-se com os amigos com álcool metido à mistura e, gosta de preparar boas partidas para os outros colegas do colégio, contudo é uma pessoa com grandes alterações de humor. Digamos que é uma rapariga complicada, contudo acaba por ser isso se a diferencia e a torna no fim de contas tão especial.
Escusado será dizer que o Miles ficou apanhadinho por ela, mas entre eles não há namoro possível porque a Alaska já tem um namorado – Jake -, do qual fala grande parte do tempo e tem a gentileza de tentar arranjar uma namorada a Miles, mas apesar de tudo isto, entre eles desenrolou-se uma grande e forte amizade.
O ponto fulcral desta história é de facto quando algo realmente inesperado acontece e nos mostra que todas as nossas ações têm consequências e, que a partir do momento em que estas surgem, torna-se impossível fugir delas. Há que carregar com as consequências das nossas ações, uma vez que voltar atrás no tempo é impossível, e eu acho que o livro retrata isso na perfeição.
Apesar de achar que este é um bom livro e que nos passa valores muito importantes, também tenho algo negativo a apontar. Eu tive alguma dificuldade em relacionar-me com maioria das personagens e, isso é o que muitas das vezes nos faz tirar gostar um bocadinho menos de um livro, porque acaba por revelar-se algo fundamental e é algo que enriquece muito mais a leitura de um livro.
Quanto à escrita do autor, decerto que a maioria a conhece mais que não seja pelo livro “A culpa das estrelas”, mas eu tenho a dizer que gostei muito. É uma escrita simples e de fácil leitura com descrições e diálogo no ponto certo.
Este é um livro cheio de experiências adolescentes com que alguns de nós se podem facilmente identificar, uma vez que todos passamos por essa fase. A lição desta história acaba por revelar-se muito importante.

"Mas faltava-me a coragem, e ela tinha namorado, e eu era desajeitado e ela era linda, e eu era irremediavelmente entediante e ela era infinitamente fascinante. Por isso voltei para o meu quarto e deixei-me cair no beliche de baixo, pensado que, se as pessoas fossem chuva, eu seria um chuvisco e ela um furacão."
Pág. 103


Classificação: (4/5)
Playlist: Taylor Swift - Blank Space


E vocês, já leram este livro? Se sim, partilhem a vossa opinião comigo! 

2 comentários:

  1. Olá,
    Tenho este livro na estante para ler mas ainda não chamou por mim, acho que vai ter de esperar mais um pouco.
    Boas leituras;)

    ResponderEliminar
  2. Olá,
    Gostei muito da tua opinião.
    O único livro que li do autor foi "A culpa é das estrelas". E sim, quero ler mais livros deste autor mas acho que não vai ser " À procura de Alaska". Fiquei curiosa mas não o suficiente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar